Voltar
Energia solar na prefeitura de Curitiba
184 Visualizações
Será instalado um sistema de energia solar no Palácio 29 de Março, sede da prefeitura de Curitiba.  A ordem de serviço para a colocação das placas fotovoltaicas foi assinada pelo prefeito Rafael Greca em cerimônia com a presença da governadora Cida Borghetti e a empresa que fará o serviço será a Quantum Engenharia. Este é o passo inicial para a implantação da usina de geração fotovoltaica no telhado do palácio, que terá capacidade instalada de 144,87 kWp. A obra inicia agora em janeiro e tem um prazo de 120 dias para sua conclusão. O contrato no valor de R$ 552.374,11 é financiado pelo Programa de Eficiência Energética da Copel.

“O uso de placas fotovoltaicas tem aumentado em órgãos públicos. Trata-se de uma forma de energia limpa, sustentável, com um ótimo custo-benefício. O retorno do investimento se dá em cinco anos, além disso, a economia ocorre a longo prazo”, explica o presidente da Quantum Engenharia, Gilberto Vieira Filho.

Exemplos mostram inclusive que a instalação de placas fotovoltaicas é uma realidade até mesmo em pequenas cidades. Em Santa Catarina, a Escola Básica Municipal João Pacheco de Miranda Lima (CAIC), de Três Barras, implantou o sistema de energia solar este ano. Com as placas, pode produzir até 100% do exigido pela Escola, e se o consumo da unidade no período for menor do que a energia gerada, ainda pode ser entregue à Celesc e utilizada posteriormente em forma de crédito de energia na conta. O projeto da CAIC tem potência total instalada de 26,4 kWp com 80 painéis fotovoltaicos de 330 Wp. A geração anual de energia será de 31.986,5 kWh. O ganho de sustentabilidade da Escola Básica Municipal por ano é equivalente à preservação de 515 árvores, além de deixar de emitir 8.957 kg de CO₂ para a atmosfera.

Em média o payback – tempo necessário para pagar o investimento com a economia na conta de energia – para o investimento em geração fotovoltaica é de cinco anos. Ou seja, em cinco anos o valor do investimento no sistema é pago e, como os painéis fotovoltaicos duram pelo menos 25 anos, os outros 20 anos serão de economia.

Limpa e econômica, a energia solar conquista cada vez mais espaço. A modalidade é acessível também para residências, comércios e indústrias. O objetivo é atingir 23% em participação de fontes renováveis na matriz energética até 2030 no Brasil. A previsão é de que, em 2024, mais 1,2 milhão de usuários tenham adaptado sua produção e consumo de energia.


Foto: Escola Municipal de Três Barras
Crédito: Quantum Engenharia
184 Visualizações